24 maio
Museu também é uma boa programação para a família.

foto (9)

No dia 18 de maio comemorou o Dia Mundial do Museu.  A data foi instituída pelo Comitê Internacional de Museus (ICOM).

Então que tal aproveitar a data e levar seu filho para conhecer algum museu em sua cidade? O passeio em família pode sim ser bastante divertido, além de ser bastante cultural e cheio de aprendizado.

Fomos convidados para a inauguração do museu do carnaval que foi inaugurado em fevereiro aqui em Recife  e fiquei encantada. Davi também curtiu todos os espaços.  Além de toda a história sobre o nosso carnaval, o espaço é simplesmente lindo e bem iterativo. Vale conferir.

O paço do frevo é uma entidade administrada pela Fundação de Cultura da Cidade do Recife, com o objetivo de divulgar, promover tudo que se relaciona com a Cultura do Carnaval de Pernambuco.

* Casa do Carnaval

Endereço: t S Pedro, 52 | São José – Recife

Telefone: 3355-3302 / 3303

Visitação: terça à sexta-feira das 9h às 17horas. Às segundas-feiras, funcionamento interno.

 

Beijos Tia Mari 🙂

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
22 maio
Uso da cinta no pós parto: longe de um consenso…

foto-de-capa_-850x400

Não há dúvida que usar a cinta após o parto é uma boa pedida, independente do tipo de parto, cesáreo ou normal. Para maioria das mulheres, traz bem estar, sensação de segurança e “principalmente” coloca tudo no lugar, reduzindo momentaneamente o abdômen. No entanto, um dos erros bastante comum é achar que a peça ajudará a diminuir a barriga à longo prazo.

Durante a gestação os músculos abdominais sofrem uma “distensão” normal (alongamento fisiológico), sendo assim, perdem um pouco a capacidade de  sustentar os órgãos internos (as vísceras), pela fraqueza adquirida nesse período. É nesse sentido que a cinta entra com um papel reconfortante, “suprindo” essa desvantagem.

É SUPER IMPORTANTE DEIXARMOS CLARO, QUE ISSO “TEM PRAZO DE VALIDADE”, NÃO É SUBSTITUIÇÃO MESMO. O uso da cinta por tempo longo pode prejudicar a recuperação dos músculos impedindo que eles trabalhem de modo fisiológico, eliminando a flacidez decorrente da distensão a que foram submetidos durante a gravidez.

Para que haja recuperação do tônus muscular é necessário que a musculatura seja estimulada. Não há consenso quanto ao tempo para retorno às atividades físicas, sabe-se que não é recomendado que antes do 45° dia após o parto, realizar exercícios com carga pesada. O que se pode fazer durante esse tempo relacionado especificamente para essa musculatura?

Podemos lançar mão de recursos da fisioterapia, fortemente estudados cientificamente, como a eletroestimulação, este recurso se bem utilizado pode ser um ótimo início para o ganho de tônus muscular abdominal.

Escrito por:

Clarissa Leal – Fisioterapeuta Dermato Funcional

Clinica Santevie

Rua General Joaquim Ignacio, 830 sala 1507 Ed. The Plaza Ilha do leite

Fone: 34233575

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
20 maio
Aniversário do #TrololoDeMel

E parece que foi ontem que ele nasceu e os seus 4 anos foi comemorado com todo o amor do mundo em uma festa mágica.

Incrível mesmo é como cada ano a comemoração é diferente e os momentos também são diferentes. Ano passado nós viajamos e foi bem legal, mas esse ano ele quis muito uma festa e nós atendemos.

Ele escolheu o seu tema e vibrou com as surpresas que foram aparecendo, já que ele gosta de acompanhar tudo bem de perto mesmo.

O buffet foi o mundo meu, localizado em Piedade. É uma casa nova e cheia de alegria.

Quando entramos já nos apaixonamos e Davi ficou encantado com a proposta. Tem até um post aqui sobre a casa e ele esta cheio de detalhes.

Mas fiquei com as fotos lindas da nossa festinha.

E para relembrar um pouco de um desses momentos especiais, deixo vocês com um video que amo do niver dele.

As fotinhas tiradas pelas titias Camila e Erika Abreu que sempre nos atendem com todo amor e carinho.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
11 maio
Dia das Mães – Turma da Tia Mari

E o mês de maio tem um sabor todo especial para qualquer mamãe, não é verdade? Para mim vem em dose dupla, junto ao aniversário de Davi e do meu marido.

Aceitei ao convite do nosso querido colaborador Bernardo Dantas, como diz Davi “Tio bernado” e gravamos um pequeno vídeo para vocês.

Espero que gostem e obrigada a todas as mamães que marcaram nossa hastag #mamaenaturma e se alguém ficou de fora, nos desculpem, pois muitas fotos não conseguimos ver. Mas nosso sincero obrigada!

                     

 Ser mãe é não esquecer a emoção do primeiro movimento do bebezinho dentro da barriga.

Ser mãe é ficar noites sem dormir, é sofrer com as cólicas do bebê e se angustiar com os choros inexplicáveis: será dor de ouvido, fralda molhada, fome, desejo de colo?

Ser mãe é ajudar o filho a largar a chupeta e a mamadeira. É levá-lo para a escola e segurar suas mãos na hora da vacina.

Sentir sua mãozinha procurando a proteção da sua, o corpinho se aconchegando debaixo dos cobertores.

Ser mãe é ler sobre uma tragédia no jornal e se perguntar: E se tivesse sido meu filho?

Ser mãe é descobrir que se pode amar ainda mais um homem ao vê-lo passar talco, cuidadosamente, no bebê ou ao observá-lo sentado no chão, brincando com o filho.

É se apaixonar de novo pelo marido, mas por razões que antes de ser mãe consideraria muito pouco românticas.

É sentir-se invadir de felicidade ante o milagre que é uma criança dando seus primeiros passos, conseguindo expressar toscamente em palavras seus sentimentos, juntando as letras numa frase.

Ser mãe é se inundar de alegria ao ouvir uma gargalhadinha gostosa, ao ver o filho acertando a bola no gol ou mergulhando corajosamente do trampolim mais alto.

Ser mãe é descobrir que sua vida tem menos valor depois que chega o bebê.

* Autor desconhecido (texto adaptado)

Créditos do Video:

Bernardo Dantas:

bernardodantasfoto@gmail.com

http://vimeo.com/user13163104

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
09 maio
Davi faz 4 anos. Fazer festa ou não?

Quando Davi completou 1 ano, eu resolvi fazer sua festinha em uma casa de festa, já que era “O primeiro ano”. Confesso que no fundo me arrependi, Davi estava doente (não poderia adivinhar, certo!), ainda inventei de querer organizar as coisas, você sempre esquece algo e foi aquela agonia, mas no final foi tudo bem e ficou lindo.

No segundo ano fiz uma festa só para as crianças e os amiguinhos da escola em um espaço no shopping que só participa os pequenos e foi legal para ele, brincou e se divertiu muito, mas a família e os amigos não curtiram muito ficar  “de fora” da comemoração.

No terceiro ano resolvemos viajar, levamos o pequeno para curtir Beto Carrero e foi super legal. Primeira viagem em família e tal…

Mas esse ano não escapamos, o pedido veio dele:

– Mãe, eu “telo” minha festa do homem aranha!

E eu não posso negar né? agora não é mais comemorar do jeito que EU quero e sim uma festa para ELE , do jeito que ele deseja.

Aliás, essa data aqui em casa é pura emoção e alegria, já não bastasse ser o aniversario do delicia do #trololodemel, também é do pai, já que fazem aniversário no mesmo dia.

O que eu não queria (de jeito nenhum) era uma casa comum, com a mesma proposta de todas, sabem? brinquedos eletrônicos, aqueles que ficam girando, girando, girando… crianças lá e adultos cá.  Até porque, o aniversario de 1 ano do #trololo foi em uma dessas casas. Queria algo diferente, que fosse “a cara”da minha família.

E foi ai que minha amiga Priscila me falou de uma mega novidade e que tinha certeza que eu iria adorar, pois era a minha cara… E sabe o que aconteceu? AMEI!

Então fomos conhecer o local e quando chegamos perdi Davi de vista, pois a criança ficou enlouquecida em ver aqueles brinquedos, os espaços temáticos, que como ele diz: – São massa! E fomos conversar para que elas me contassem mais desse sonho tão lindo que elas trouxeram para Recife.

foto (7)

O Mundo Meu é um buffet  super diferente e encantador. Tem uma proposta totalmente lúdica, sem nenhum brinquedo eletrônico (amei isso).

A ideia é desenvolver a interação entre os pais e os filhos. Os brinquedos são super diferentes e realmente fazem com que a criança entre em um universo mágico (também amei isso).

Davi amou a mini vila que por sinal é linda, lá tem um mercadinho, casa dos bombeiros, castelo das princesas e atelier de artes. A imaginação rola solta! Davi grudou logo no capacete e só queria saber de dirigir o carro dos bombeiros, foi uma loucura.

Ainda tem um circuito suspenso de arvorismo (quero ver se eu vou conseguir ir ) O circuito termina com uma tirolesa de carrinho onde até os pais podem brincar à vonta

image_1

image_2

Tem também um campinho de futebol, pistas de mini golfe, escorregador com 7 metros de comprimento (quase morri…kkk e Davi adorou), área baby, cama elástica e um brinquedão de madeira cheio de obstáculos para as crianças se divertirem aos montes!

Sem contar no cardápio que é todo uma delícia e cheio de opções diferenciadas, com comidinhas mais leves e mais sofisticadas.

O Mundo Meu fica localizado no primeiro andar da galeria The Garden Open Mall, no comecinho de Piedade, EU INDICO!

A festa vai ser da Liga da justiça e esse ano resolvi não me preocupar com nada, deixei tudo nas mãos das zamigas Pri e Lu.

Depois eu mostro como tudo vai ficar certo?

Beijos Tia Mari.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
08 maio
As lentes da autoestima.

enuresis_infantil_autoestima

Tem gente grande que não perde tempo em achar defeito no próprio corpo ou no que faz, ficando a grama do vizinho sempre mais verde. Admirar algo em si (nessas condições) pode ser uma árdua tarefa, pois alguns desses “óculos” de autoestima costumam distorcer bastante a forma como nos vemos e como vemos o que nos cerca, principalmente se o uso dessas “lentes” começa desde a infância.

Dificilmente escuto a palavra “autoestima” sozinha; geralmente ela aparece acompanhada de adjetivos que a quantificam nos seus altos e baixos, montanha russa essa que os nossos sentimentos percorrem também. Mas que tal se pudéssemos falar da pura e simples autoestima, referente à forma como nos percebemos?

Pelo que vestimos, pela forma do nosso corpo, pelo que fazemos, pelo que pensamos, pelo que lemos, pelo que gostamos de sentir, pelo nosso jeito de se relacionar; se você parar pra pensar como faz tudo isso, estará também se percebendo. A pergunta é: como você se avaliou diante do que percebeu? Gostou, não gostou, pensou em fazer algo diferente com isso?

Quando é a criança que não gosta do que percebe em si, precisamos parar um pouquinho e pensar também como o seu meio a percebe, tendo em vista que nessa fase nossos recursos para digerir o que o mundo nos dá ainda estão em construção, predominando uma tendência maior a introjetar a fala, percepção, ação, etc, do outro. É difícil imaginar alguém contribuindo para que uma criança tenha uma percepção de si tão pouco positiva, mas essa construção pode ser regada de pequenos instantes subestimados em seu efeito:

                “Você está impossível hoje!”

                “Essa pintura tá horrível, nem seu irmão menor pinta assim…”

                “Deixa aí que eu faço, se não você vai derramar.”

                “Você não vai sair de casa assim, se não o que os outros vão pensar?!”

                “Ninguém vai gostar de você fazendo isso”

Algumas dessas frases podem ter seu intuito de intervir no comportamento do filho, motivá-lo ou até mesmo protegê-lo, porém, a intenção sofre acidentes de percurso e chega à criança como um conceito fechado sobre ela. Como me sentir amado se alguém me diz que estou impossível? Como valorizar o que eu faço se o outro é colocado como parâmetro? Como vou me sentir capaz se antes de eu tentar já me dizem que não vou fazê-lo? Como valorizar a si próprio (não ser “Maria vai com as outras”) se o que os outros fazem ou pensam é mais relevante?

No início de seu desenvolvimento, a criança conta (e muito!) com o olhar do adulto para construir o seu próprio, logo, se essa “lente” chega com esses graus de julgamentos implícitos (por mais que suas reais intenções sejam outras), as imagens formadas não sairão diferentes.

Em algumas situações de bullying, a autoestima da “vítima” é um fator importante a ser observado; não após a situação já instaurada, mas antes dela acontecer: a criança já se sentia mal com o próprio peso? Já se ressentia por não conseguir “ser como os outros”? Já se achava pouco capaz de superar desafios? Se a criança já carrega (fora do espaço onde o bullying acontece) tais percepções, engessada nesses conceitos, pode sentir muita dificuldade em lidar com situações em que outras pessoas reforcem tais conceitos tão emblemados pelos apelidos e demais agressões permeadas no bullying.

Em sua expressão virtual, o bullying com frequência convida a ver adolescentes expondo-se em redes sociais, compartilhando conteúdo pessoal (imagens, confissões, particularidades) em busca da aceitação de outro que pouco os conhecem e, se conhecem, não o estão valorizando de maneira íntegra. Como esse adolescente estaria sendo percebido em casa a ponto de buscar ser percebido tão desveladamente pelo outro?

Portanto, melhorar a autoestima, seja da criança, do adolescente ou do adulto não se resume a elogiar ou florear o que está devastado; mas rever o que tem regado essas percepções e oportunizar que (se necessário) elas possam ter lentes mais saudáveis sem limitá-las a conceitos inautênticos.

Thaís Azevedo é psicóloga clínica e escolar, integrante do Núcleo Criad (@nucleocriad).

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
02 maio
Independência desde cedo!

Sempre que posto algo que o Davi #TrololoDeMel esta fazendo, sempre tem uma mamãe que comenta:

Aí tia Mari, meu filho não faz isso ou não faz aquilo!

– Tia Mari como eu faço para o meu filho ser assim?!

E eu digo:

– Não existe fórmula para nada, filho não é uma “receita” e nem todos são iguais. Até mesmo os irmãos criados e educados pela mesma mãe e mesmo pai não agem da mesma forma, não é mesmo?

Hoje em dia, a maioria das famílias, tem  a mãe também trabalhando  fora de casa, e o que observo é que na maioria das  vezes essas mães se sentem culpadas pelo pouco tempo dedicado aos filhos. Então, a  tendência atual é dar tudo muito pronto para as crianças.

Permitir que os nossos filhos executem algumas tarefas do dia a dia não vai fazer de você ” nem mais, nem menos mãe “, pelo contrario, uma vez que a autonomia da criança está ligada à maturidade e as oportunidades, tornará esses pequenos momentos em um momento de grande realização  para os seus  filhos.

O que nós como mães podemos fazer é estimular essa autonomia desde cedo com atividades simples e que possamos permitir sem nos preocupar.

* Deixe seu filho se trocar sozinho  – Davi pelo menos tenta se trocar sozinho desde os 2 anos. Colocar a camisa, o short, calçar o sapato e até mesmo tentar amarrar o cadarço.

* Permita que ele sente a mesa e coma sem o seu auxílio – Quando Davi fez 6 meses eu já permitia que ele mesmo segurasse sua mamadeira e assim ele foi se acostumando a sempre comer “sozinho”. Hoje em dia nos momentos das refeições e até mesmo quando estamos em restaurantes o comportamento dele é o mesmo. 

* Guardar os brinquedosJá mostrei em alguns posts como organizo os brinquedos do pequeno e que aqui em casa para brincar com um certo brinquedo, só pode quando guarda o que esta brincando.

* Escovar os dentesDavi sempre escova primeiro e após a sua escovação vem a da mamãe, que ele já sabe que é a limpeza geral.  Ensine para que ele mesmo coloque o creme dental na escova, aproveite para falar sobre o desperdício da água e trabalhe a higiene e a importância de dentes saudáveis.   

* Não super proteja o seu filhoÉ  a parte mais difícil, eu sei, mas é necessário. Converse com ele sobre tudo e mostre sempre que ele é capaz. 

* Elogie sempreMesmo que ele faça uma bobagem no momento que esteja realizando algo pedido por você, saiba reconhecer seu esforço e o elogie sempre. A autoestima é sempre muito importante.

* Cuidar da roupa sujaSim! cuidar da roupa suja também faz parte, mostrar ao seu filho onde devemos coloca-las, aproveitar esse momento para que ele também aprenda a retirar a sua roupa. Aqui em casa Davi já sabe onde fica o cesto de roupa suja e podem ter certeza que tirou a roupa ele corre e coloca lá. Outro costume que temos aqui em casa é de retirar o sapato quando chegamos da rua. Então, o pequeno chega e diz logo: – Mãe vou tirar o sapato.

*Nada de cobrançasTemos sempre a tendência de querer tudo perfeito não é? mas permita que ele faça como acha que é certo e depois nós colocamos tudo no lugar que queremos. Nada de reclamações durante o aprendizado poderemos tornar nossas crianças em adultos com baixa autoestima.

Quanto mais estimuladas e quanto antes esse estimulo acontecer mais tempo a criança terá para desenvolver habilidades motoras e cognitivas necessárias para realização de tais atividades.

Agora deixo vocês com um vídeo do meu pequeno em um de seus momentos de criança independente. Espero que gostem e não deixem de curtir. Aproveitem também para convidar as amigas mamães.


                 

*Sugestões de temas para os posts ou vídeos sempre são bem vindos.

contato@turmadatiamari.com.br

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
24 abr
Dia Internacional do Livro.

criancas-lendo-livro-6653

No dia 23 de abril, celebrou o Dia Internacional do Livro e, para comemorar a data, nada melhor que formar novos leitores, estimulando os pequenos à leitura. Já é comprovado que, quanto mais cedo a criança inicia o contato com os livros, junto aos pais, ela tem facilidade para aprender, pronunciar as palavras e se comunicar.

De acordo com a Fundação Nacional de Leitura Infantil norte-americana (National Children’s Reading Foundation), para a crianças de 0 a 5 anos, cada ano ouvindo historinhas e folheando livros equivale a 50 mil dólares a mais na sua futura renda.

As pesquisas mostram que quem começa a ler cedo tem mais chances de se tornar um leitor assíduo. Por isso, leia – ou conte as histórias que você conhece – para seu filho desde bebê. É importante usar a entonação e a emoção!

Na Livraria Modelo/Atacadão de Papelaria, os títulos mais vendidos para crianças vão desde historinhas tradicionais a livros religiosos, a exemplo da Coleção Valores para Vida (R$ 16,90 cada) e os livros sonoros com orações (R$ 59,90 cada). Os exemplares interativos, como o Meu Livro Mágico, e o clássico Os Três Porquinhos também estão no topo das preferências dos pais e dos pequenos.

O Extra.com.br está com descontos especiais em todo o departamento de livros, incluindo infantis e juvenis, com até 12%. Títulos famosos, como da saga Harry Potter, da inglesa J.K. Rowling, o clássico O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupérye, e o Hobbit, de J. R. R. Tolkien estão com preços  especiais. O box com a trilogia Jogos Vorazes, sucesso na literatura e no cinema, de R$ 118,50, sai por apenas R$ 69,96. Outro opção é o box da saga Harry Potter que está por apenas R$ 237,90, quando o preço original é R$ 449,50.

 Confira as dicas da editora Abril para estimular seus filhos à leitura:

  • Pequenos passos, como deixar os livros ao alcance das mãos e ler pelo menos 20 minutos por dia, fazem toda a diferença. Algumas dicas práticas:
  • Dê o exemplo e leia você também. É bom para você e excelente para seu filho, que seguirá seu modelo naturalmente.
  • Deixe os livros à mão para ele folhear e inventar histórias. Livros têm de ser vividos, usados, não podem parecer objetos sagrados.
  • Reserve um horário para a leitura e transforme em um momento de prazer. Aconchegue-se com seu filho, leia para ele, mostrando as palavras. Quando ele crescer, ajude-o na leitura.
  • Frequente livrarias e bibliotecas. Dê livros, gibis ou revistas de presente.
  • Comente sempre o livro com ele. Incentive-o a falar da história e contá-la para outras pessoas.
  • Empreste livros para os amiguinhos dele. Estimule a troca e as conversas.
  • Estimule atividades que usem a leitura – jogos, receitas, mapas

 

Fica a dica para as mamães.

Beijos Tia Mari

 

#Publipost

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
20 abr
“Coelhinho da Páscoa, que trazes pra nós?”

image

Está chegando a hora de abrir a janela para o coelhinho da páscoa entrar e correr cedo para a cama para o “amanhã” chegar logo! Os pais mais criativos ousam ainda mais e, além de propor dormir cedo e com a janelinha ‘escancarada’, fazem pegadas no chão e caminhos com pedaços de cenoura, sugerindo a visita do famoso (porém nunca visto) coelhinho e instigando uma divertida caça ao ovo. Pois é, apesar de nunca visto, todas as crianças conhecem o coelhinho e sabem exatamente como ele é: pêlos branquinhos, olhos vermelhos e orelhas beeem pontudas. Ah! E ainda tem a incrível capacidade de colocar ovos de chocolate. Não é o máximo?

Sim, é! O coelhinho da Páscoa, o Papai Noel, a Fada dos Dentes e tantas outras são fantasias riquíssimas do universo infantil, que ajudam a manter o ‘espírito’ lúdico, a desenvolver a criatividade e a compreender e entrar em contato com diversos valores e princípios, como a fé, a troca, a gratidão e a diversão em família. Viver isso é saudável e muito gostoso e deixa uma herança super positiva, recheada de boas lembranças de uma infância com momentos muito bem vividos. A fantasia é a base da linguagem infantil e é especialmente através dela que as crianças compreendem a realidade e o mundo dos adultos.

Mas então, sendo a fantasia tão importante para o universo infantil, quando contar a verdade para as crianças? Esta não é uma resposta simples, porque não existe uma regra para isso. Mas por volta dos 7 ou 8 anos aproximadamente, o pensamento da criança começa a ficar mais concreto e é bastante comum que nessa faixa etária elas comecem a confrontar a realidade – e com isso começam também a surgir as inúmeras perguntas… que muitas vezes nos deixam sem saber o que e como responder.

O que vim contar pra vocês é que não existe uma idade certa nem forma ‘correta’ de contar a verdade aos pequenos. Isso dependerá de como a família encara o tema e das dúvidas que as crianças estão apresentando. Um caminho muito legal e respeitoso frente a isso é o de, diante das perguntas, tentar compreender o que as crianças sabem e o que elas acham sobre o assunto. A partir do que elas responderem, certamente será possível para nós, adultos, compreendermos que conhecimentos ela já tem e se ela já está preparada para saber a verdade. Com isso, serão duas as possibilidades: caso percebamos que a criança já pode saber que o coelhinho é fruto da imaginação, é importante que contemos essa ‘verdade’ com muito carinho a paciência e possamos responder às perguntas com cuidado, apresentando a situação não como uma mentira, mas como uma brincadeira gostosa e divertida de se fazer em família ou entre amigos; por outro lado, caso entendamos que a criança ainda não está pronta, é interessante que possamos respeitar isso e esperar um pouco mais. Em todos os casos, mentir NUNCA é uma boa opção.

Caso seja a hora de contar para a criança, você pode também experimentar conversar sobre o significado do coelhinho, como essa crença foi construída e, a partir disso, vocês podem lembrar juntos o quanto foi legal e divertido acreditar no branquinho e viver tudo isso. Acredite, você conhece seu filho melhor que qualquer outra pessoa e certamente tem um jeitinho todo especial de conversar com ele.

E se a criança tiver irmãos menores? Nesses casos, é importante fazer combinados com os mais velhos (que estão prestes a saber a ‘verdade’) para que eles possam ajudar a dar continuidade à fantasia dos mais novos. Pode ser refletido, junto com eles, sobre o quanto foi gostoso viver essa fantasia e que os irmãos mais novos também gostariam de experimentá-la, além de pontuar que chegará o momento de eles saberem a ‘verdade’ (pode-se sugerir, inclusive, que neste momento o mais velho esteja junto para ajudar a contar). Além disso, é interessante que ele continue a participar dos momentos que permeiam estas fantasias. Ele pode, por exemplo, ajudar a esconder o ovo do irmãozinho e procurar o seu próprio ovo escondido pelos pais, como uma forma de manter a diversão e o momento em família, que é o mais gostoso de tudo isso!

Enfim, a imaginação é uma ferramenta importante e essencial para o desenvolvimento infantil e é bastante estimulada por fantasias como estas que, além de favorecer isso, ajudam a criar momentos especiais de alegria e união em família. São as lembranças que ficam de uma infância plena, rica e muito bem aproveitada!

 

Marina Férrer é psicóloga infantil e integrante do Núcleo Criad (@nucleocriad)

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone
11 abr
RECIFE RECEBE SHOW DE ROBERTO CARLOS COM AÇÕES DA FRIBOI

rc

Friboi, do grupo JBS, patrocinadora oficial do cantor em 2014, promoverá uma experiência diferenciada aos moradores do Recife. No próximo dia 12 de abril, a cidade recebe o show do rei Roberto Carlos com várias ações da marca.

Os principais clientes da região também irão ao show a convite da Friboi, que receberá em um espaço exclusivo próximo ao local do evento. “Roberto Carlos é o maior ícone da música brasileira, fala diretamente ao coração de quem o assiste. Ele é adorado por todos, está no dia a dia da consumidora, tem tudo a ver com Friboi”, afirma Wesley Batista, presidente da JBS no Brasil.

As ações fazem parte de uma ampla ativação de marca durante a turnê de Roberto Carlos e, além dos shows nacionais, a Friboi estará presente também nos eventos prioritários do cantor, como o navio Emoções e nos shows internacionais.

A próxima cidade a receber o artista é São Paulo, com apresentações entre 9/5 e 11/05.

HORÁRIO DO PORTAO – 18H

Horário do show – 21h30

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone