Meu filho é gago?? Considerações sobre Disfluência e Gagueira

 

image

A Disfluência Infantil é explicada pela busca de palavras adequadas, na tentativa de elaborar sentenças e se comunicar corretamente. Nesses momentos, a criança vacila, usa um tempo mais longo para começar a falar, para no meio da frase, prolonga ou repete alguns sons, o que é visto por muitos, principalmente pelos pais, como o inicio de uma gagueira, problema em geral, temido e não aceito.

A Disfluência tem seu início por volta dos 2, 3 anos de idade, tem recuperação espontânea logo que a linguagem se desenvolve e vai e vêm, estando mais presente do que ausente,
A Gagueira Infantil surge na mesma época e possui características semelhantes às da Disfluência, tornando difícil o diagnóstico diferencial.

Atualmente, grande parte dos estudiosos acredita que algumas crianças já trazem em seu código genético a tendência para gaguejar e são estas que não tem recuperação espontânea, persistem desenvolvendo gagueira e tornando-a crônica. Essa característica genética não é necessariamente hereditária, já que apenas parte dos gagos possui ascendentes ou descendentes que gaguejam.

Ressalto que é importante os pais ou responsáveis ficarem atentos a frequência em que ocorre a disfluência, a tensão muscular exercida durante a fala e a capacidade da criança em lidar com a situação. Dependendo da forma como pais e familiares agem, algumas crianças tendem ao isolamento.

Conforme a criança vai dominando a língua materna, a ansiedade e a euforia ao falar vão sendo deixadas para trás. A organização do pensamento e da fala ocupam seus lugares e não se “atropelam” mais!

Algumas dicas para os pais/responsáveis:
– Fale devagar com a criança;
– Não termine palavras e frases para a criança;
– Preste mais atenção ao conteúdo da mensagem e não ao quanto a criança esta gaguejando;
– Mostre interesse ao que a criança esta falando;
-Mantenha-se no mesmo nível de altura que a criança, mantendo contato olho a olho enquanto ela estiver falando e/ou relatando algo;
– Não apresse a criança a falar;
– Não permita que outras pessoas (inclusive familiares) achem “engraçadinho” como a criança esta falando;
– A ansiedade do adulto será percebida pela criança. Então segure a onda e relaxe!

Fica a dica para vocês mamães e papais. O post foi feito pela nossa colunista e fonoaudióloga:

ALINE BERGHETTI
Fonoaudióloga Esp. Linguagem
Psicopedagoga
Instagram @alineberghetti
Fanpage facebook.com/mariaclarababyblogger

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *